Logo_HabitarPorto_azul.png

Cidade

Programas

Conheça as várias edições deste workshop!

Clique em cada um para saber mais.

Edição Piloto deste workshop, distinguida com o Prémio Cidadania Ativa da Universidade do Porto.

1ª edição deste workshop.

5e330dadbe20472a7e8731c8_Scrolldown.gif

Antas

2ª edição deste workshop.

Em construção!

Campo Alegre

3ª edição deste workshop.

Em construção!

Conheça as várias edições deste workshop!

Clique em cada um para saber mais.

5e330dadbe20472a7e8731c8_Scrolldown.gif

Campo Alegre

4ª edição deste workshop.

Em construção!

Antas

3ª edição deste workshop.

Em construção!

2ª edição deste workshop.

1ª edição deste workshop.

 

Esta edição piloto foi distinguida com o Prémio Cidadania Ativa da Universidade do Porto.

 

2 ilhas nas Antas

5ª Edição do Workshop Arquitetos de Família

O grupo Morfologias e Dinâmicas do Território do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da FAUP, em parceria com o Instituto da Construção (IC-FEUP), Escola Superior de Educação (ESE), Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), e Habitar Porto organiza a 5.ª edição do workshop 'Arquitectos de Família', coordenado e orientado por Aitor Varea Oro (arquiteto, investigador MDT-CEAU-FAUP), Marta Sousa (arquiteta) e Isabel Vieira (docente na Escola Superior de Educação). O workshop conta com o apoio da Cype.

O ciclo de workshops 'Arquitectos de Família' integra o projecto "In Conflict" da representação oficial portuguesa na 17ª Exposição Internacional de Arquitectura – La Biennale di Venezia de 2021, com curadoria do atelier depA — Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral.
É um dos 21 casos associados aos sete processos que compõem o alinhamento de "In Conflict", estando em diálogo com o trabalho do ateliermob para a reconstrução de sete casas destruídas pelos incêndios de 2017 na Região Centro do país.
20211004_29_whp_arq_familia_a2_final.jpg
 

Objetivos

Com uma forte componente prática, o workshop tem como principais objetivos:

— Aprender sendo úteis, associando o ensino à intervenção social em contexto real de trabalho, cruzando a arquitetura, a engenharia e as ciências sociais;
— Desenvolver uma proposta realizada numa edição anterior do workshop para aproveitar as possibilidades do novo PDM e alargar a intervenção a uma segunda ilha;
— Consolidar um modelo de intervenção transparente e colaborativo entre proprietários, inquilinos, instituições de ensino superior e entidades públicas;
— Elaborar o programa base e os documentos técnicos necessários para viabilizar a operação urbanística e apresentar uma candidatura ao Primeiro Direito.

1

 

2

O workshop decorrerá entre 4 e 29 de Outubro.

Datas e local

O workshop terá sessões teóricas às 2.ª feiras, acompanhamento dos trabalhos às 4.ª feiras, e sessões críticas às 6.ª feiras. 

3

Estudantes inscritos no 4.º ou 5.º ano do MIArq da FAUP.

Destinatários

4

Vagas

6 vagas disponíveis.

5

Inscrições

Inscrições até 29 de Setembro.

O processo de seleção dos participantes será feito a partir de uma pré-inscrição através do envio de:

— uma carta de motivação (máximo 1 página A4, tipo de letra Arial, tamanho: 11, espaçamento entre linhas: 1,5)
+ portfólio ou seleção de 3 projetos relevantes.

para o e-mail pepol@arq.up.pt, com a indicação 'Workshop | Arquitectos de Família' no campo 'Assunto'.

 
 
 
 

6

Informações

Para mais informações por favor contate a equipa de coordenação: pepol@arq.up.pt

 
 

1

Gomes Leal

1ª edição do workshop Arquitetos de Família

A primeira edição do “Arquitectos de Família” foi uma experiência piloto, não divulgada, para testar a viabilidade do modelo de workshop.
Neste projeto, que começou em 2018 e durou pouco mais de um mês, cinco estudantes finalistas da FAUP debruçaram-se sobre um caso real – três casas desabitadas numa ilha no Bonfim (destinadas a famílias com rendimentos muito baixos) com um pátio comum.
 
ALÇADO.png

Caracterização do caso

Uma ilha com três casas desabitadas e um pátio comum impermeabilizado

As três casas que iam ser alvo de intervenções tinham uma área média útil de 26,4m2 e quatro divisões. O alçado original já tinha vários acrescentos que colmatavam a necessidade de obter mais espaço e de incorporar valências básicas no interior (sobretudo casas de banho).

Quanto ao espaço exterior, o que em tempos foi pátio de usufruto comum, era agora usado como estendal e arrumo comunitário, totalmente pavimentado e impermeabilizado.

1

 

Problemas identificados

Falta de iluminação e de ventilação naturais, escassez de área interior, exterior impermeabilizado

A excessiva compartimentação em casas com uma única frente dificultava a ventilação natural, impedia uma passagem mais oportuna da luz solar disponível e determinava compartimentos de área muito reduzida.

A impermeabilização total do pátio comum ameaçava o ecossistema que suporta a vida urbana.

2

 

Soluções encontradas

Reduzir a tipologia, garantir casa de banho interior, utilizar pavimentos permeáveis no exterior

O desafio foi optimizar o alçado e garantir o maior aproveitamento possível do espaço, sem sacrificar a iluminação e ventilação naturais.

Uma vez que área disponível por casa é inferior ao mínimo estipulado para um T0 (31m2 segundo o RGEU), restringiu-se a tipologia das habitações ao suficiente para albergar, no máximo, duas pessoas, de maneira a mitigar os constrangimentos às condições mínimas de habitabilidade.

A proposta de intervenção pressupõe passar de 4 compartimentos interiores e 1 casa de banho exterior para 3 compartimentos, incluindo WC privativo. Aproveitaram-se as marquises existentes, ampliando o módulo original de casa de banho de modo a incluir o equipamento completo. O negativo dessa ampliação conforma um espaço de entrada, exterior mas coberto, que pode ainda ser usado para secagem de roupa. O módulo central de cozinha e arrumação faz a separação entre a zona de dia – na frente – e a zona de noite – no interior –, e garante a passagem de luz natural para o quarto.

Quanto ao espaço exterior, propôs-se a criação de canteiros individuais que proporcionem novos usos do espaço interior, bem como o uso de pavimentos permeáveis, para minimizar o impacto negativo no ecossistema que suporta a vida urbana.

3

 

Execução da obra

4

8.jpg
6.jpg
005.jpg
5.jpg
52.jpg
002.jpg
003.jpg
7.jpg
 

Aprofundamento da reflexão

Desenvolver investigações aplicadas ao caso de estudo em contexto de dissertação de mestrado

5

Depois de terminado o workshop, os alunos envolvidos conduziram uma experiência pioneira na FAUP, tendo produzido quatro dissertações de mestrado complementares, cada uma sobre diferentes aspectos do workshop e dos seus resultados.

teses_imagem.png
 

6

Prémio Cidadania Activa da Universidade do Porto

Reconhecimento do projeto

Esta experiência foi galardoada na sexta edição do Prémio Cidadania Activa, atribuído pela Universidade do Porto, na categoria Vertente Pedagógica.

 
 

2

2ª edição do workshop Arquitetos de Família

O objecto de estudo desta edição dos “Arquitectos de Família” foi a chamada “Ilha Grande”, localizada na Rua de São Victor, no Bonfim.
 
Esta ilha compõe-se por duas bandas de casas que fazem contacto directo com a rua (não estando, portanto, nas traseiras de uma casa “burguesa” como é a norma nesta zona da cidade), às quais se acede através de um corredor central. A ilha encontra-se dividida entre vários proprietários, razão pela qual só se trabalhou parte dela (cerca de 70%).
 
A sugestão de estudar esta ilha surgiu através de um contacto do gabinete de acção social da Junta de Freguesia do Bonfim, que estava a fazer o acompanhamento de uma das moradoras, cuja casa não contava com casa de banho interior e apresentava graves problemas de infiltrações.
AC_39.JPG
 

Caracterização do caso

Intervenção em treze casas de uma ilha com pouco espaço exterior livre

A ilha encontra-se dividida entre vários proprietários, razão pela qual só se trabalhou parte dela (cerca de 70%). Em análise estiveram treze casas, originalmente divididas como tantas outras casas de ilha, isto é, uma sala comum ocupando metade da área, ao longo da fachada, e dois espaços interiores junto ao muro de meação traseiro.

À primeira vista não se verifica a presença de anexos para colmatar a ausência de valências básicas no interior. No entanto, a análise da cartografia histórica revela que os habitantes foram ocupando os pátios abertos em 1940 pela Campanha de Salubrização das Ilhas. Estes acrescentos foram realizados com recurso a técnicas e materiais ainda mais precários.

1

 

Problemas identificados

Falta de iluminação e ventilação naturais, presença de infiltrações nas coberturas e escassez de área interior e exterior

A falta de iluminação e ventilação naturais, associada à presença de infiltrações nas coberturas e à falta de isolamento térmico, originam focos de humidade que contribuem para a fragilidade estrutural do conjunto.

2

 

3

Avançar para o urgente, resolver o importante

Soluções encontradas

A proposta desenvolvida partia da reabilitação urgente de três casas.

Duas habitações devolutas, ao fundo da ilha, seriam reabilitadas integralmente e usadas para realizar realojamentos temporários.

A casa da moradora com graves problemas de habitabilidade sofreria obras urgentes por forma a viabilizar a entrada de luz e ventilação, renovando a casa de banho e a cozinha mas adiando o aumento das áreas para uma segunda fase.

A reabilitação da ilha seria o último passo, adotando em todas as habitações, incluído a da moradora, a tipologia das casas de realojamento.

Demolir anexos para abrir pátios e aglutinar casas para aumentar a área de cada fogo

A proposta de intervenção pressupõe a reconstituição dos pátios previstos na Campanha de Salubrização das Ilhas com o intuito de aumentar a área livre e permeável e aumentar o número e a superfície de fachadas (possibilitando um aumento do número de vãos por fogo e assegurando mais iluminação e ventilação naturais).

A proposta visa ainda a aglutinação de várias casas num só fogo de modo a permitir aproximar as áreas por tipologia às definidas no RGEU e melhorando assim também as acessibilidades.

A proposta transforma 13 casas em 7 fogos T1 que se desenvolvem num só piso, para garantir condições de meação, ventilação e iluminação. Nestes novos fogos os vãos, novos e existentes, são regularizados; as casas de banho e cozinhas constituem um módulo fixo, perpendicular à fachada, garantindo-se sempre uma janela na instalação sanitária; a circulação faz-se sempre junto na parte mais interior, minimizando a sua área e maximizando o uso da fachada.

Construtivamente, propôs-se que as paredes exteriores fossem rebocadas e pintadas, fazendo-se o isolamento térmico pelo interior. Esta opção decorreu da irregularidade dos perímetros interiores dos fogos, cuja regularização (com recurso a tabiques metálicos e pranchas de gesso cartonado) gera espaços aptos para receber o isolamento. Desenhou-se, ainda, uma estrutura de tecto que permite a utilização do desvão do telhado como espaço de arrumos.

 

Levantamento do existente

00 LEVANTAMENTO.png

Proposta

03 PROPOSTA_2.png
ilhas_3d.jpg
MONTAGEM 1 FINAL.jpg
MONTAGEM 2 FINAL.jpg